Nordeste terá ‘São João da crise’


A deterioração da economia brasileira, a queda na arrecadação e a crise provocada pelos escândalos de corrupção na Petrobras fizeram queimar na fogueira os recursos para que prefeitos do Nordeste possam organizar as tradicionais festas de São João, que se iniciam nas próximas semanas. No interior dos Estados, principalmente da Bahia, as festas juninas são o principal evento popular do ano, atraem turistas, movimentam as economias locais, geram empregos e garantem dividendos políticos para os prefeitos.

“Ou eu pago a folha dos professores ou eu faço o São João. Não tem outra saída”, desabafa a prefeita de Cardeal da Silva, Maria Quitéria Mendes (PSB). Diante de crescentes dificuldades orçamentárias e da queda na arrecadação, a prefeita optou por uma decisão drástica: cancelou a festa programada para os 9,6 mil habitantes do município, localizado a 142 km de Salvador.

“As pessoas ficam indignadas com o prefeito, a culpa é sempre do prefeito, mas a conta não fecha, quando você arrecada menos e gasta mais com saúde e educação”, comenta Maria Quitéria, que preside a União dos Prefeitos da Bahia.

A mesma decisão foi tomada pelo prefeito Antônio Carlos Paim Cardoso (PT), do município de Amélia Rodrigues, para quem o São João é “supérfluo”, consideradas as atuais circunstâncias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s