DILMA OUTRA VEZ


Graças ao talento do marqueteiro João Santana, Dilma Rousseff conseguiu vencer a eleição mais difícil vista no País desde 1989. Como a própria presidente ressaltou ao votar, aconteceu de tudo no meio do caminho, houve até a morte de Eduardo Campos. De favorita inicial, quando Santana chegou a dizer que os adversários não passavam de anões, Dilma foi submetida a um verdadeiro suplício. No primeiro turno, viu Marina Silva ressurgir das cinzas e liderar as pesquisas da noite para o dia. A ex-ministra, porém, deixou-se abater pelos erros de uma campanha ingênua. No segundo turno, Aécio Neves tornou-se a grande surpresa. Mas ela resistiu à ameaça do tucano e livrou vantagem mínima,  de 3,28%, nas urnas. Sem dúvida, enfrentou a reeleição mais sofrida de que se tem notícia. Mas essa é uma página virada. Dilma Rousseff vai presidir o Brasil até 2018.

E agora? Há quem diga que a primeira tarefa da presidente será restabelecer pontes com a oposição na tentativa de desarmar os ânimos de vencedores e vencidos. Se, de um lado, a estratégia comandada pelo maquiavélico Santana ajudou a desconstruir a imagem de Marina e de Aécio, de outro, abriu um enorme fosso entre petistas e tucanos. Analistas são quase unânimes em afirmar que esta foi a campanha mais agressiva desde a retomada da democracia. Dividiu o eleitorado ao meio. Na última semana, Dilma se disse alvo de “golpismo” e Aécio acusou o PT de práticas “terroristas”. Militantes enfurecidos enfrentaram-se nas ruas e membros da União da Juventude Socialista (PCdoB) despejaram lixo na porta da Editora Abril, em protesto contra a revista Veja. Daí, defende-se que Dilma, reeleita, emita sinais claros a favor da pacificação nacional.

Na política brasileira, não existem somente PT e PSDB. Há outros partidos e outras correntes de pensamento. Mas a ferida está aberta e nada indica que cicatrizará tão rápido. Entretanto, não é certo que um entendimento entre governo e oposição seja de fato tão necessário. Certa vez, em Londres, após impor a enésima derrota aos trabalhistas, perguntaram à conservadora Margaret Thatcher por que ela, pelo bem do Reino Unido, não buscava um consenso com seus adversários. A primeira-ministra, com o peso de seus votos, atirou: “Se Jesus Cristo buscasse o consenso em sua época, o cristianismo não teria durado através dos tempos”. Ou seja, na visão da dama de ferro inglesa, a acomodação de interesses não leva a avanços, mas ao atraso, ao retrocesso. A se espelhar em Thatcher, o PT e o PSDB devem se preparar para futuros embates no Congresso.

Dilma sabe que os tucanos não vão lhe facilitar a vida. Mas deve estar mais preocupada em dar respostas a quem votou nela. Como baseou a campanha no mote “governo novo, ideias novas”, é de se esperar que forme um novo ministério. Executivas provadas, como Tereza Campelo, do Desenvolvimento Social, e Miriam Belchior, do Planejamento, devem ser mantidas. Haverá mudanças em pastas essenciais como Saúde e Educação e Guido Mantega será substituído na Fazenda. Em 1º de janeiro, ele deixará o cargo que ocupou por mais de oito anos. O nome mais citado é o do ex-secretário executivo Nelson Barbosa. Fala-se também que um alto cargo está reservado para o governador da Bahia, Jaques Wagner, nome forte no PT depois de fazer seu sucessor. O segundo mandato de Dilma Rousseff não começou, mas o PT já está pensando em 2018.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s