Governador Sérgio Cabral Filho (PMDB)


O confronto em plena Avenida Delfim Moreira, no Leblon, no Rio, entre policiais militares e manifestantes, perto da rua em que mora o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB), levou um grupo de moradores do bairro a iniciar movimento, pedindo a mudança dele e da família dele. Eles pedem que Cabral mude para a residência oficial do Estado, no Palácio Laranjeiras. A confusão aconteceu às 22h50, quando PMs dispersaram os manifestantes com tiros de bala de borracha e bombas de gás. A Delfim Moreira ficou interditada nos dois sentidos. Seis manifestantes foram presos e quatro policiais militares ficaram feridos durante confronto.

“Quero deixar bem claro que não tenho nada contra os protestos, sou a favor de quase todos eles, que têm mudado o país para melhor. Só não aceito protestos violentos e depredações. Mas desde que Sérgio Cabral assumiu, a rua ficou muito conturbada”, afirmou a psicóloga Cynthia Clark, idealizadora da coleta de assinaturas. Cynthia refere-se à Rua Aristides Espíndola.

Ela perdeu a conta das categorias que fizeram barulho na porta de seu prédio: médicos, professores, estudantes, bombeiros. Em junho, por três semanas, um grupo de manifestantes acampou na Rua Aristides Espínola, em que vive o governador do Rio. O trânsito ficou interditado por vários dias. O confronto da noite desta quinta-feira, 4, avançou até o início da madrugada e havia muita fumaça de gás lacrimogêneo. “Acreditamos que só há uma solução (…) o senhor deixar de confundir sua vida privada com sua vida pública, e passar a morar no lugar destinado a ser moradia do governador do Estado do Rio de Janeiro: o Palácio Laranjeiras”, diz o texto do documento distribuído entre os vizinhos.

A assessoria do governo do Estado não comentou a iniciativa dos moradores. Nesta sexta-feira, o policiamento continuou reforçado durante todo o dia na Rua Aristides Espínola. Três carros da PM estacionados na esquina com a Avenida Delfim Moreira, na orla, e outros três veículos da polícia estavam no outro extremo do quarteirão, na esquina com a Rua General San Martin. Também havia viaturas da PM paradas nas esquinas da orla com ruas paralelas à Aristides Espínola.

Pelo menos três carros pretos descaracterizados que pertencem à equipe de segurança pessoal do governador estavam parados nas cercanias da casa de Cabral. Seguranças à paisana estavam distribuídos por cerca de 300 metros de extensão da rua. A psicóloga Rosália Mendes, de 63 anos, disse que a manifestação estava pacífica até que, por volta das 22 horas, as luzes dos postes da Avenida Delfim Moreira teriam sido apagadas. “Eu estava no protesto. O movimento era pacífico e bonito, até que apagaram a luz da praia e começou a confusão. Acho que, conforme foi aumentando o número de manifestantes, a polícia deve ter recebido uma ordem para agir”, disse a moradora do Leblon.

Em nota, Cabral disse que a Polícia Militar só agiu para dispersar manifestantes que protestavam perto de sua casa em reação a atos violentos. Em outra nota, a Polícia Militar diz que foi “atacada a pedradas no Leblon” e informa que três policias ficaram feridos e seis pessoas foram presas. Manifestantes acusam os PMs (que estavam sem as identificações) de terem começado com as agressões.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s