Queda de braço entre PSB e PT.


Ainda que o governador Eduardo Campos (PSB) tenha saído em defesa da realização do plebiscito para a reforma política, na quarta-feira (27), após participar da reunião com a presidente Dilma Rousseff (PT), o tema motivará uma nova queda de braço entre PSB e PT.

Líder da bancada socialista na Câmara Federal e defensor da candidatura de Eduardo à Presidência, o deputado Beto Albuquerque (PSB-RS) insinuou nesta segunda-feira (1º) à noite que os petistas trabalham para submeter à consulta popular apenas os pontos de interesse do próprio partido, como financiamento público de campanha e o voto em lista fechada.

“O que ouço é que o PT quer criar as perguntas para sua própria reforma. Mas é preciso ouvir os cidadãos e os demais partidos. O PT é apenas uma parte da política brasileira”, criticou, antes de entrar na reunião de emergência da Executiva nacional do PSB. Convocado por Eduardo Campos, presidente nacional da legenda, o encontro aconteceu em um hotel do Recife e teve como objetivo formular um posicionamento unificado do partido sobre a reforma política e as manifestações que estão ocorrendo no País.

Até o fechamento da edição desta terça-feira (2) do JC, a reunião ainda não havia sido concluída. Está programada para o dia a divulgação de um documento com os pontos debatidos pelo partido. De acordo com Beto Albuquerque, o PSB é contrário ao financiamento público de campanha e ao voto em lista fechada, bandeiras levantadas pelos petistas. “Quem disse que esses assuntos são prioritários para a população?”, questionou.

O socialista também criticou a pressa com que o governo federal espera realizar o plebiscito. A consulta, segundo ele, não pode ser de “afogadilho” e deve preservar a “segurança jurídica”. Na sua avaliação, é preciso criar ferramentas para captar, previamente, sobre quais temas a população deseja ser consultada.

“Se não, estaremos fazendo um movimento que menos quer ouvir o povo e mais quer resolver sua eleição. O plebiscito só é legítimo se tivermos espaço para colher sobre o que o povo quer opinar. Um plebiscito de afogadilho não permitirá isso”, advertiu.

Em relação à reforma política, o PSB defende a unificação do processo eleitoral e o fim da reeleição, estabelecendo um mandato de cinco anos, válido a partir de 2018. A versão do PSB é de que mais do que uma reforma política é preciso realizar uma “reforma de Estado” que deve atingir também o Judiciário.

Beto Albuquerque citou, como exemplo, o fato de apenas 34% dos processos de improbidade administrativas terem ido à julgamento. Apesar das críticas, ele disse apoiar o plebiscito, mas ponderou que a medida não irá “esconder” o baixo desempenho da economia e o cenário de “pessimismo”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s