DONA DILMA


A presidente Dilma Rousseff disse  em visita à Etiópia, que o Bolsa-Família pode ter tido falhas e que o governo federal precisa aprimorar a fiscalização do programa. Para ela, o problema registrado no fim da semana passada, quando boatos sobre o fim do benefício provocaram uma corrida a agências da Caixa Econômica Federal de 12 estados, tem que ser transformado em ganho.

“Usamos a tecnologia da informação mais sofisticada possível com o Bolsa-Família. A Polícia Federal e a segurança da Caixa vão procurar todos os motivos e vão elencá-los. O que fazemos é garantir que seja o menos possível de ser objeto de falha interna”, disse a presidente. “O que a gente pode tirar de bom disso? Que vamos estar sempre mais atentos agora para essa possibilidade, porque durante 10 anos, nunca houve isso”, disse.

Enquanto a presidente seguia na última sexta-feira para Adis Abeba, na Etiópia, para participar do aniversário de 50 anos da União Africana, a Caixa Econômica Federal divulgou no mesmo dia uma nota admitindo que alterou o calendário de pagamento do benefício. Os saques foram liberados de uma só vez, o que antes ocorria em vários dias, conforme a data final do benefício.

Sobre a possibilidade de ter havido falha da Caixa, a presidente não negou, afirmando que “somos todos humanos”. Porém, ela manteve a linha da declaração do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que levantou a possibilidade de ter havido uma ação orquestrada por terceiros. “O que ela (a Caixa) admite é que está em transição de um sistema e suspendeu, de fato, uma pessoa do pagamento. Isso explica o pagamento dessa pessoa, mas não explica a corrida à Caixa. Não explica o porquê da quantidade de pessoas que procuraram a Caixa no sentido de receber (o benefício)”, afirmou, sem mencionar a antecipação da liberação do dinheiro. A oposição avisou que pedirá explicações ao banco.

Telemarketing Para a presidente, uma “falha tópica” não explica a boataria em vários estados. Ela não quis, no entanto, comentar as investigações da Polícia Federal, que ouvirá as primeiras pessoas que receberam as mensagens sobre o fim do Bolsa-Família para descobrir como o boato surgiu e se espalhou. Segundo reportagem da Agência Brasil, a PF já levantou informações sobre pessoas que receberam telefonemas a respeito do Bolsa-Família no fim da semana passada. Uma das linhas de investigação é de que os telefonemas partiram de uma empresa de telemarketing com sede no Rio de Janeiro. A Caixa teria ficado de repassar à polícia dados sobre os dois primeiros saques feitos após o início dos boatos.

Na Etiópia, Dilma Roussef afirmou que a participação do novo ministro do STF no julgamento do mensalão não foi levada em consideração no momento da indicação do advogado Luís Roberto Barroso para a vaga de Carlos Ayres Britto. Ela comentou também a relação com o PMDB. Disse que “há flutuações”, mas que os atritos não são significativos “do ponto de vista da qualidade da aliança com o PMDB”. “Nós não vemos nenhum problema nas relações com o PMDB. Nenhum”, afirmou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s